Sayonara, Japão

Depois de nosso passeio por Matsumoto e Nagano, ainda no dia 30/09/15 pegamos pela última vez o Shinkansen (trem bala) de Nagano com destino a Tóquio. Chegamos depois de 2 horas de viagem, por volta das 20h, e ainda tivemos pique para jantar em um restaurante temático; e como estamos no Japão nada mais apropriado do que os Ninjas como tema (rs).

Site_2758 Site_2761

A diversão começa já na entrada onde somos recepcionados por um Ninja que nos guia por um calabouço cheio de armadilhas. O jantar foi super divertido, com torradas em formato de estrelas ninjas e show de mágica (não pudemos filmar) e no final ainda recebemos um convite para retornar ao restaurante de uma forma totalmente ninja.

Site_2759 Site_2760 Site_2763 Site_2762

No dia seguinte (01/10/15) fomos conhecer outro cartão postal japonês, o Monte Fuji, mas o tempo estava fechado e mal conseguíamos ver esse magnífico vulcão. Chegamos de ônibus até a estação 5 que está a cerca de 2.400 metros de altitude, mas não fizemos a caminhada até o topo dos 3.776 metros.

Site_2764 Site_2765 Site_2766

Se o tempo estivesse bom teríamos a visão abaixo do Monte Fuji, mas vai ficar para a próxima visita.

Site_2767

Do Monte Fuji seguimos para Hakkone, um balneário de águas termais muito procurado por turistas japoneses. Lá fizemos um passeio de barco pelo Lago Ashi e subimos o teleférico de Hakkone, mas novamente o mau tempo tirou um pouco da graça do passeio.

Site_2768 Site_2769 Site_2770 Site_2771 Site_2772 Site_2773

No dia 02/10/15 tínhamos o dia livre em Tóquio e o tempo abriu (que bom!). Lógico que não perdemos a oportunidade e fomos para a rua. Nossa primeira parada foi em Guinza, um bairro de Tóquio que concentra as grandes grifes internacionais e lojas com o metro quadrado mais caro do Japão.

Site_2774 Site_2775 Site_2776

Como o nosso orçamento não nos permite gastar um pouquinho em mimos da Prada ou Ferragamo, resolvemos voltar para o metrô e seguir até o museu Edo, que conta a história de Tóquio através dos séculos. De lá almoçamos em Asakusa e voltamos ao Templo Budista de Senso-ji, que dessa vez (com o tempo bom) estava lotado. Vimos até um lutador de sumô que estava passeando pelo templo.

Site_2777 Site_2778 Site_2779 Site_2780 Site_2781 Site_2782 Site_2783

À noite fomos ao Robot Restaurant localizado no bairro boêmio de Shinjuko. Apesar de se chamar restaurante, a comida é totalmente coadjuvante nesse lugar muito louco; o que atrai os turistas são as apresentações de cerca de 1h30 com robôs, música e dança que misturam taiko (tambores tradicionais japoneses) com monstros que parecem ter saído de um episódio do Ultraman, tudo de forma absurdamente exagerada, barulhenta e iluminada – bem Tóquio!

Site_2787 Site_2784 Site_2785 Site_2786

Como nós estávamos pilhados com o show dos robôs, resolvemos seguir até o bairro de Shibuya para comer em um restaurante diferente. O carro chefe é o sushi, mas não se pede um barco, combinado ou rodízio; nesse restaurante os sushis são escolhidos em uma pequena tela individual e são entregues por um sistema de esteira que percorre os balcões. Muito diferente!

Site_2791 Site_2790  Site_2788

Nosso penúltimo dia no Japão (03/10/15) amanheceu como o dia anterior, com sol; então aproveitamos o dia para continuar explorando a cidade. Passamos pelo bairro de Akihabara, famoso por suas lojas de eletrônicos e artigos de anime; retornamos ao Palácio Imperial para conhecer o bonito jardim e fechamos o dia com um delicioso jantar no restaurante do hotel, com direito a mais um bolo para comemorar o aniversário da Tia Eiko.

Site_2799 Site_2792 Site_2793 Site_2794 Site_2795 Site_2796 Site_2797 Site_2798

Em nosso último dia encontramos com a nossa amiga Chie Saito no bairro de Roppongi Hills, visitamos o observatório Tokyo City View, o Museu Mori e almoçamos em um restaurante japonês indicado por ela; não poderíamos ter fechado a nossa passagem pelo Japão de forma melhor.

Site_2800 Site_2801 Site_2802 Site_2803 Site_2804

A nossa passagem pelo Japão foi corrida, mas especial; esperamos retornar em breve!

No dia 30/09/15 deixamos Takayama bem cedo com destino a Matsumoto; lá visitamos o Castelo de Matsumoto que está na lista de tesouros nacionais do Japão. Também conhecido com o Castelo do Corvo em razão da cor preta das paredes externas, é um dos mais importantes castelos japoneses pois a torre é totalmente original, datada do século 16.

Site_2753 Site_2747 Site_2748 Site_2746

O castelo foi originalmente construído em 1504 por Shimadachi Sadanaga do Clã Ogasawara, mas a sua construção só foi finalizada entre 1593 e 1594, e até o final do feudalismo japonês, o Castelo de Matsumoto pertenceu a 23 senhores feudais, representando 6 diferentes famílias (Daimyo). Apesar de diversas áreas do castelo terem sido destruídas em incêndios, foi muito legal percorrer os corredores e escadas originais da torre.

Site_2752 Site_2750 Site_2749 Site_2751

De lá seguimos para Nagano que foi sede das Olimpíadas de Inverno de 1998, mas não fomos para lá para conhecer as instalações olímpicas. Após um almoço muito bom, fomos conhecer o templo budista de Zanko-ji. Esse templo foi construído no Século 7, muito antes do surgimento das diferentes seitas budistas japonesas, então esse é um dos poucos templos onde podemos fazer nossas orações do nosso modo (budista, xintoísta, católico etc.).

O templo é um dos poucos locais de peregrinação restantes no Japão. A principal imagem de Buda do templo é, possivelmente, uma das primeiras imagens de Buda trazidas ao Japão, mas essa imagem é um hibutsu (Buda secreto) e fica escondida do público (nem mesmo os monges podem vê-la), mas a cada 7 anos, na primavera, uma réplica da imagem é mostrada ao público.

A última vez que a imagem foi mostrada foi na primavera desse ano e milhões de pessoas peregrinaram até a cidade de Nagano só para poder vê-la. Infelizmente chegamos tarde, mas fizemos nossas orações e fomos abençoados por toda vida pelo Buda Amida do templo de Zanko-ji. Que ótima forma de terminar o dia!

Site_2754 Site_2755 Site_2756 Site_2757

No dia 27/09/15 deixamos Kyoto com destino a Kanazawa. Dessa vez seguimos com um trem expresso, um pouco mais lento (136 km/h) que o trem bala (236 km/h), mas mesmo assim muito confortável. A viagem durou pouco mais de 2 horas e passamos pelo interior do Japão sentido Oeste, para o Mar da China.

Site_2697 Site_2698

Assim como Kyoto, Kanazawa é uma cidade com uma história e cultura muito rica, mas ao contrário de Kyoto, o refinamento de Kanazawa não tem origem na nobreza japonesa e sim na classe guerreira, os samurais. O principal nome de Kanazawa é Toshiie Maeda (1537-1599), do clã Maeda, um dos mais poderosos samurais do Japão feudal e maior responsável pelo desenvolvimento da cidade que já foi a quarta maior.

Nosso passeio por Kanazawa começou pelo Castelo, cuja construção original data de 1580. Contudo um incêndio ocorrido em 1881 destruiu praticamente todo o Castelo, restando apenas poucas partes originais. Em 2001 foi reconstruído de acordo com o projeto de 1809 utilizando as técnicas tradicionais; mesmo sabendo que não é o original, ficamos impressionados com a beleza do castelo e as técnicas empregadas na sua construção.

Site_2699 Site_2700 Site_2701 Site_2702 Site_2703 Site_2704

Do Castelo de Kanazawa atravessamos a rua para visitar o Kenroku-en, desenvolvido pela família Maeda entre os anos de 1620 e 1840 e considerado pelos japoneses como um dos parques mais bonitos do Japão.

Site_2705 Site_2706 Site_2707 Site_2708 Site_2709 Site_2710

Na manhã seguinte (29/09/15) seguimos para o interior sentido Takayama. No caminho paramos em uma cidade chamada Shirakawa-go, que é uma vila histórica declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1995. O destaque são as casas em estilo Gassho-zukuri (合掌造り), que significa, em uma tradução livre, construção em formato de mãos orando.

Site_2711 Site_2714 Site_2715 Site_2716 Site_2717 Site_2718 Site_2720 Site_2712 Site_2726 Site_2727 Site_2713

Nós pudemos visitar uma dessas casas tradicionais construída pela família Wada em 1573 e preservada até hoje; foi muito interessante conhecer os diferentes cômodos e ver a técnica de construção utilizada na época. A casa da família Wada foi preservada e hoje funciona como uma espécie de museu, mas muitas outras construções foram adaptadas para abrigar lojas e restaurantes e foi num desses locais que almoçamos, todos sentados no tatami – muito legal.

Site_2719 Site_2722 Site_2723 Site_2721 Site_2724 Site_2725

Após o almoço seguimos para Takayama e visitamos o Yatai Kaikan, onde ficam expostos alguns carros alegóricos utilizados nos festivais da  primavera e do outono. Esses festivais folclóricos começaram há mais de 350 anos e durante as procissões são utilizados cerca de 20 carros alegóricos, alguns datados do século 17, decorados com lindos trabalhos de madeira e marionetes. Pena que o festival só acontece nos dias 14/15 de abril e 9/10 de outubro; seria muito legal acompanhar essas procissões.

Site_2728 Site_2729 Site_2730 Site_2731 Site_2732

Também visitamos um museu com maquetes de prédios históricos japoneses produzidos pelos habilidosos artesões de Katayama, e passeamos pelas ruas do centro antigo da cidade, cheia de lojas e restaurantes.

Site_2733 Site_2734 Site_2735 Site_2736 Site_2737 Site_2738 Site_2739 Site_2740

Para fechar nossa passagem por Takayama seguimos para o nosso hotel chamado Green Hotel Takayama, onde ficamos em um quarto diferente. O quarto no estilo japonês é todo de tatami e as camas são montadas sobre eles – muito confortável!  Ainda no hotel comemoramos o aniversário da minha (Dan) mãe em um jantar muito especial – Parabéns, mãe!

Site_2741 Site_2742 Site_2744 Site_2745

Kyoto e Nara – O Japão das Capitais

Depois de nosso passeio por Hiroshima, ainda no dia 25/09/15, seguimos para a estação de Shinkansen (trem bala) para seguir viagem até um dos destinos mais esperados dessa nossa passagem pelo Japão, Kyoto. A viagem durou cerca de 2 horas pois tivemos que fazer uma “baldeação” em Shin-Osaka, mas foi muito legal viajar a mais de 230 km/h no famoso trem bala japonês.

Site_2633 Site_2634 Site_2636 Site_2637 Site_2635

Kyoto ou Quioto é uma das mais belas e ricas (culturalmente) cidades japonesas. Fundada sob o nome de Heian-kyo (Capital da Paz e Tranquilidade) no século 6, quando a capital do Japão foi deslocada de Nagaoka, sua construção seguiu o modelo de urbanização da capital chinesa da Dinastia Tang chamada Chang’an, com avenidas largas e disposição dos edifícios de acordo com as técnicas de feng shui.

Durante mais de mil anos, até a a mudança da capital japonesa para Tóquio em 1869 pelo Imperador Meiji, a Cidade de Kyoto foi a residência oficial da Família Imperial japonesa e capital oficial do Japão. Como resultado disso, existem apenas em Kyoto cerca de 1600 templos budistas e outros 400 templos xintoístas.

No aspecto cultural, Kyoto foi o local onde muitas das artes tradicionais japonesas como o teatro Kabuki, o ikebana, a música e a dança foram desenvolvidos e aperfeiçoados à excelência que vemos hoje. Por isso Kyoto é considerada uma cidade super refinada e elegante; tão elegante e culturalmente importante que foi poupada pelos bombardeios norte americanos na Segunda Guerra Mundial.

Com tudo isso já dá para imaginar que nem de longe daria para conhecer tudo que Kyoto tem a oferecer em apenas dois dias, por isso tivemos que selecionar apenas as principais atrações da cidade, deixando os demais para uma outra oportunidade (e que seja logo, pois a lista é enorme).

Começamos nosso passeio no dia 26/09/15 pelo Templo Zen Budista de Rokuon-ji (Templo do Jardim dos Veados), também conhecido como Kinkaku-ji (Templo do Pavilhão Dourado). Construído em 1397 pelo Shogun Ashikaga Yoshimitsu, esse maravilhoso templo é um dos cartões postais do Japão. O Shariden (Pavilhão Dourado), que tem as paredes do segundo e terceiro andares revestidas de ouro, teve que ser reconstruído duas vezes após ter sido incendiado durante a Guerra Onin (1467-1477) e por um monge em 1950.

Site_2638 Site_2639 Site_2641 Site_2642 Site_2640 Site_2643

Seguindo o nosso passio pela histórica Kyoto, seguimos até o templo xintoísta de Heian (Heian Shrine). Esse templo foi construído em 1895 para o aniversário de 1100 anos da cidade e sua arquitetura é uma réplica em escala (5/8) do Palácio Heian de Heian-kyo (antigo nome de Kyoto). O destaque do templo é o bonito jardim localizado nos fundos do templo, onde passamos uma boa parte do nosso tempo.

Site_2644 Site_2645 Site_2646 Site_2647 Site_2648 Site_2649 Site_2650 Site_2651 Site_2652 Site_2653 Site_2654

Voltando ao budismo, fechamos nosso dia em Kyoto visitando o Templo de Kyomizu-dera fundado em 778. O prédio principal foi construído em 1633 por ordem de Iemitsu Tokugawa, terceiro shogun da Dinastia Tokugawa e se sua enorme estrutura já não for suficientemente impressionante, leve em consideração que não foi utilizado um único prego sequer na sua construção.

Antes de sair do templo, ainda tomamos a água da fonte Otowa-no-taki que se divide em três cascatas representando saúde, longevidade e inteligência. Como a origem da água é a mesma tomamos a água apenas de uma das cascatas na certeza que os três pontos estão cobertos (assim esperamos!).

Site_2655 Site_2656 Site_2657 Site_2658 Site_2659 Site_2660 Site_2661 Site_2662 Site_2663 Site_2664 Site_2665 Site_2666 Site_2667 Site_2668 Site_2669

Voltando ao hotel saímos no começo da noite para caminhar pelas redondezas e subimos até o observatório da Torre de Kyoto. Apesar de não ser alta (100 metros) a vista lá de cima é muito bonita.

Site_2674 Site_2671 Site_2672 Site_2673 Site_2670 Site_2696 Site_2695

No dia 27/09/15 foi a vez de conhecer outra antiga capital japonesa, Nara (710-794). Hoje com pouco mais de 350 mil habitantes, é uma cidade super tranquila e muito verde onde vivem muitas pessoas que trabalham nas cidades de Osaka e Kyoto, distantes cerca de 40 minutos de trem.

Da mesma forma que Kyoto, Nara tem uma história super rica e muito bem preservada. Existem diversos templos budistas e xintoístas na cidade, muitos dos quais declarados Patrimônio da Humanidade pela Unesco, mas como o tempo era curto ficamos com os dois mais importantes.

O primeiro local que visitamos foi o Templo Budista de Todai-ji, onde está localizada uma estátua de Buda feita em bronze com 15 metros de altura e 500 toneladas; o prédio construído em 743 para abrigar o enorme Buda de bronze é considerado uma das maiores estruturas de madeira do mundo e foi erguido por mais de 2.6 milhões de trabalhadores, segundo os registros da época; impressionante se considerarmos que o Japão tinha aproximadamente 5 milhões de habitantes nessa época.

Site_2675 Site_2676 Site_2681 Site_2677 Site_2678 Site_2679 Site_2680

Saindo de lá seguimos para o Templo Xintoísta de Kasuga-taisha, que foi fundado em 786 e até hoje continua servindo como um templo xintoísta. O templo foi reconstruído várias vezes, mas o principal destaque são as milhares lanternas de pedra que adornam o lado externo do templo.

Site_2682 Site_2683 Site_2684 Site_2685 Site_2686 Site_2687 Site_2688

Após o almoço retornamos a Kyoto e paramos para caminhar pelo bairro histórico de Gion, famoso distrito das gueixas. Ao contrário do que Hollywood “ensina” em seus filmes, as gueixas não são prostitutas; são mulheres que desde muito cedo (entre 15 e 18 anos) se dedicam única e exclusivamente à arte e ao entretenimento (dança, canto, música e jogos).

Quando estão na condição de aprendizes são chamadas Maiko e andam na companhia de uma Geiko (ou Gueixa), mas à medida que elas ganham experiência e aperfeiçoam as técnicas de dança, canto etc., passam para a condição de Geiko e se tornam independentes. Em comum, todas elas são solteiras; quando se casam deixam de ser geikos ou maikos.

O distrito de Gion concentra as principais casas de geikos, mas é impossível para uma pessoa entrar sem o convite de um cliente regular da casa. Além disso, um jantar na companhia de uma geiko (que sempre vem acompanhada de uma maiko além de pessoas que tocam os instrumentos musicais) pode custar cerca de 1.000 USD por hora.

Como não temos o dinheiro e, principalmente, o convite para conhecer uma dessas casas, fizemos um passeio a pé pelas ruas do distrito de Gion, na esperança de encontrar alguma geiko ou maiko caminhando pelo bairro, mas isso não aconteceu. Mesmo assim foi muito legal conhecer um pouco mais sobre gueixas e quebrar alguns preconceitos.

Site_2689 Site_2694 Site_2693 Site_2692 Site_2691 Site_2690

Com esse passeio fechamos (infelizmente) nossa passagem por Kyoto. Na segunda-feira (29/09/15) seguiremos para Kanazawa e de lá para Takayama e Tóquio.

Hiroshima – 1945年8月6日午前8時15分

O título desse post é, provavelmente, uma das datas mais tristes e mais lembradas da história japonesa. No dia 6 de agosto de 1945, às 8h15 da manhã, o bombardeiro norte americano B-29 Enola Gay lançou a bomba nuclear Little Boy sobre a cidade de Hiroshima, que na época tinha cerca de 350 mil habitantes.

Site_2609

A-Bomb Dome

A explosão tirou imediatamente a vida de 80 mil pessoas, mas até o final do ano de 1945 o número de vítimas havia subido para 140 mil em decorrência dos ferimentos e da exposição à radiação. Até hoje, 70 anos depois, alguns sobreviventes sofrem com os efeitos da bomba, tornando praticamente impossível precisar o exato número de mortes causadas pela bomba.

Site_2618 Site_2619 Site_2615

Três dias depois, no dia 9 de agosto de 1945, outra cidade japonesa, Nagasaki, foi alvo de uma bomba atômica lançada pelos norte americanos, que resultou na morte de aproximadamente 80 mil pessoas. Essas duas bombas, além da declaração de guerra da Rússia contra o Japão também no dia 9 de agosto de 1945, resultaram na rendição do Japão na Segunda Guerra Mundial.

Hoje, no local próximo ao epicentro da explosão está localizado o Memorial da Paz de Hiroshima, um parque muito bonito com vários monumentos dedicados às vítimas da bomba atômica. Nesse parque também estão localizadas as ruínas de um prédio conhecido com o Domo da Bomba Atômica (foto acima) declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1996, além de um museu com uma exibição permanente sobre a bomba.

Site_2617 Site_2612 Site_2613 Site_2614 Site_2616

Apesar dessa trágica história, a Cidade de Hiroshima se recuperou e hoje é um centro urbano vibrante e agitado com cerca de 1.2 milhão de habitantes; então, não vamos contar a história sobre as mortes e sim falar sobre vida e paz.

Nós chegamos em Hiroshima na tarde do dia 24/09/15 após um voo de 2 horas desde Naha, Okinawa. A noite fomos dar uma volta rápida perto do hotel e provar o Okomiyaki de Hiroshima que é preparado na sua frente em uma enorme chapa – delicioso!

Site_2610 Site_2608 Site_2607 Site_2605 Site_2606

Na manhã seguinte (25/09/15) saímos cedo do hotel e fomos para a ilha sagrada de Miyajima, onde está localizado o bonito Templo Xintoísta de Itsukushima, que foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1996. No caminho ainda passamos pelo Castelo de Hiroshima, que foi construído originalmente em 1590, mas não paramos para ver o museu que conta a história do período Edo, então fica apenas um registro do exterior do Castelo.

Site_2604

Voltando ao Templo de Itsukushima, ele foi construído originalmente em 593 D.C. e reconstruído por Taira-no-Kiyomori em 1168, quando adquiriu as formas e escalas atuais. Até hoje o Templo está em atividade e em nosso passeio pudemos ver alguns monges e pessoas fazendo suas orações nos diversos oratórios espalhados pelo templo; também vimos um casal de noivos que chegava para celebrar a sua união lá.

Site_2620 Site_2623 Site_2624 Site_2625 Site_2626 Site_2627 Site_2628 Site_2629 Site_2630 Site_2622 Site_2631

Um dos símbolos mais reconhecidos desse templo é o enorme Torii (portal) que fica bem em frente, mas como o templo foi construído na beira do Mar Interior, durante a maré alta o torii fica dentro da água. Por conta da localização única, esse Torii foi reconstruído várias vezes desde a construção do templo, sendo o atual datado de 1875 – muito legal!

Site_2611 Site_2621 Site_2632

Saindo do templo de Itsukushima retornamos a Hiroshima para visitar o Memorial da Paz e de lá seguimos para a estação de Shinkansen (trem bala – quase tão rápido quanto o Godzilla) que nos levaria até Kyoto, mas esse já é assunto para o próximo post. Nossa passagem por Hiroshima foi muito rápida, mas intensa; acho que valeria a pena ficar mais uma noite por aqui para andar com calma pelo centro da cidade, conhecer o castelo de Hiroshima e visitar outros pontos turísticos da cidade, mas fica para uma próxima.

Okinawa – Reino Ryukyu

No dia 21/09/15 deixamos a ilha mais ao Norte do Japão com destino ao extremo Sul do arquipélago japonês, e após 3.5 horas de voo desembarcamos em Naha, capital da Província de Okinawa. Logo de cara sentimos a diferença pois a temperatura pulou dos 18 graus de Sapporo para 29 graus em Naha, mas as surpresas não param por aí.

Site_2539

Talvez nenhuma outra região do Japão tenha uma identidade física e cultural tão marcante quanto Okinawa, e mesmo no Brasil a comunidade Uchinanchu (pessoa natural de Okinawa) é muito forte. Os costumes, artes, música, lingua (chamada Hogen) e a comida baseada na carne de porco, tofu e alga (kombu), são diferentes das outras regiões do Japão, fazendo deste um lugar único.

A história de Okinawa começa com a imigração oriunda do sudeste asiático (principalmente chineses e japoneses), mas a ilha nem sempre pertenceu ao Japão. Okinawa era um reino independente chamado Reino de Ryukyu até 1879, quando foi anexado ao Japão após o Rei Sho Tai ser deposto.

Mais tarde, durante a Segunda Guerra Mundial, Okinawa viveu um de seus períodos mais tristes com as inúmeras mortes de soldados e civis. Os números oficiais dão conta que 149.193 Uchinanchus (aproximadamente 1/4 da população de Okinawa na época) perderam a vida durante a batalha de Okinawa, além de 95.000 soldados japoneses e 12.510 soldados norte americanos.

Como resultado da Segunda Guerra Mundial, Okinawa foi ocupada pelos norte americanos, que construíram inúmeras bases na ilha. A ocupação durou até 17 de junho de 1972, quando enfim Okinawa retornou ao Japão; e a exemplo do que aconteceu no Canal do Panamá, durante a ocupação, Okinawa era considerada território norte americano e os habitantes da ilha necessitavam de um passaporte para visitar as outras ilhas japonesas, assim como os japoneses precisavam de um documento específico para viajar a Okinawa.

Apesar dessa história triste, os Uchinachus são muito alegres e calorosos. Logo que chegamos fomos recepcionados e levados ao nosso hotel que ficava no centro de Naha e como chegamos no começo da tarde, aproveitamos para caminhar pela principal rua chamada Kokusai Dori, cheia de lojas e restaurantes.

Site_2540 Site_2546 Site_2541 Site_2542 Site_2543 Site_2544 Site_2545

No dia seguinte (22/09/15) encontramos com a super simpática guia Ai Nagasaki e nossa intérprete Helena Higa e saímos para conhecer o lado Sul da ilha, começando pelo Museu da Paz Himeyuri. Himeyuri é o apelido da escola para meninas de Okinawa.

Site_2547

Em 23 de março de 1945, durante a Segunda Guerra Mundial, com a invasão de Okinawa pelos norte americanos, as 240 estudantes de Himeyuri com idades entre 13 e 18 anos foram mobilizadas e atuaram como enfermeiras assistentes no hospital militar e muitas acabaram morrendo durante a guerra. Hoje, na entrada da caverna que serviu de hospital militar, está localizado o memorial e no fundo um museu que conta a história das estudantes de Himeyuri. Mais do que contar a história, esse local é um convite a reflexão sobre os horrores da guerra. Muito tocante!

Site_2548 Site_2549

Saindo de Himeyuri a nossa guia Ai-san cantou uma música típica de Okinawa para levantar nosso ânimo e assim seguimos até a praia de Mibaru, onde fizemos um passeio em um barco com o fundo de vidro pelos recifes próximos a praia. Foi bem legal ver os peixes e corais, mas acho que preferimos o método tradicional e mais molhado de interação com o oceano.

Site_2550 Site_2551 Site_2552 Site_2553 Site_2554

Voltando a terra firme, fomos para o Okinawa World, um parque temático da cultura Uchinanchu. Lá assistimos uma apresentação de Eisa (dança e música típicas de Okinawa), almoçamos pratos típicos, caminhamos pela caverna Gyukusendo e conhecemos uma réplica de uma vila Ryukyu Mura. Ufa, quanta coisa!

Site_2555 Site_2556 Site_2557 Site_2558 Site_2559 Site_2560 Site_2561 Site_2562

Já estávamos quase jogando a toalha, mas o dia não tinha terminado, então o jeito foi aguentar mais um pouco e seguir em frente. Para ajudar a manter o ânimo, a nossa guia Ai-san surpreendeu todo mundo com uma apresentação de odori (dança típica) no ônibus, com direito a kimono e tudo mais. Muito legal!

Site_2563 Site_2564 Site_2566

Do Okinawa World seguimos para o Castelo Shrui, que fica na capital Naha. Esse castelo foi totalmente destruído na Segunda Guerra Mundial, mas felizmente foi reconstruído nos mínimos detalhes. Logo na entrada está localizado uma espécie de oratório construído em 1519 chamado Sonohyan-utaki, que foi declarado patrimônio da humanidade pela Unesco em 2000 e de lá atravessamos os portões que guardam o maravilhoso castelo de Shuri.

Site_2567 Site_2568 Site_2569 Site_2570 Site_2571 Site_2572 Site_2573 Site_2574 Site_2575

Para fechar nosso intenso passeio pelo sul da ilha de Okinawa, fomos visitar o Mercado Público de Makishi. Como já dissemos, em nossa opinião os mercados locais são a melhor forma de se conectar a cultura e costumes locais. Visitar um mercado público é sempre um ótimo passeio.

Site_2576 Site_2577 Site_2578 Site_2579 Site_2580

O nosso último dia em Okinawa (23/09/15) não foi menos intenso. Saímos cedo da capital Naha com destino ao Norte da ilha na companhia da nossa guia Ai-san e da intérprete Helena Higa. A primeira parada foi no Mirante de Manzamo, cuja vista dos penhascos que dão para o Mar da China são de tirar o fôlego.

Site_2581 Site_2582 Site_2583

De lá seguimos para a sede da Cervejaria Orion e no caminho a nossa guia Ai-san apresentou uma outra dança típica (odori) no ônibus. Estava tão divertido que até esquecemos das lindas paisagens da costa oeste de Okinawa.

Site_2585 Site_2584

A Cervejaria Orion foi fundada em 1957 em Okinawa e hoje é a cerveja mais consumida na ilha. Como era feriado, a linha de produção estava parada, mas pudemos fazer o tour pela fábrica e, ao final, degustar o principal produto deles em um delicioso almoço. Até a Liene, que não é de cerveja, entrou na onda e aprendeu a servir corretamente uma cerveja.

Site_2586 Site_2587 Site_2588 Site_2589 Site_2590

Depois de degustar algumas vezes o produto da Orion (unicamente para conferir a qualidade, temperatura, espessura do colarinho etc.) regressamos ao ônibus e como estávamos “alegres” o jeito foi cantar (rs). A nossa guia Ai-san puxou o coro e cantou duas músicas típicas de Okinawa enquanto nos dirigíamos ao Aquário Charumi – muito legal!

Site_2591

O Aquário Churaumi está localizado na Praia de Motobu, dentro de um complexo que inclui um bonito orquidário, tanque de golfinhos e tartarugas e o novíssimo hotel onde ficamos hospedados. Como estava tudo dentro do parque, nos despedimos da nossa guia Ai-san e da intérprete Helena Higa e fizemos os passeios utilizando o transporte do parque.

Dizem que esse é segundo maior aquário do mundo, mas já estamos meio vacinados contra essa mania de grandeza que parece atingir todo mundo, então não nos prendemos aos detalhes e simplesmente curtimos o passeio. Saindo de lá assistimos uma apresentação de golfinhos e visitamos o orquidário.

Site_2592 Site_2593 Site_2594 Site_2595 Site_2596 Site_2597 Site_2602 Site_2598 Site_2599 Site_2600 Site_2601

Com esse passeio fechamos nossa passagem por Okinawa. Foram dois dias e meio muito intensos e no dia 24/09/15 partiremos da ilha com um gostinho de quero mais. Para ajudar, o pôr do Sol da nossa última noite em Ryukyu foi simplesmente espetacular, só para tirar qualquer pontinha de dúvida de que vale a pena retornar a Okinawa. E com a foto do pôr do Sol encerramos esse post.

Site_2603

Hokkaido – O Norte do Japão

Após dois dias de muita chuva em Tóquio, na sexta-feira (18/09/15) seguimos de avião para o Norte do Japão. Nosso destino era a capital da Província de Hokkaido, Sapporo; uma cidade muito agradável com pouco mais de 1.7 milhão de habitantes.

Site_2484 Site_2485

Apesar do tempo, que continuou fechado e chuvoso, logo que chegamos fomos conhecer a sede da cervejaria Sapporo. A história dessa cervejaria fundada em 1876 está intimamente relacionada ao desenvolvimento da Ilha de Hokkaido e da cidade de Sapporo, já que essa empresa recebeu diversos incentivos e investimentos do governo.

Site_2489 Site_2490

Começamos nosso tour com um almoço típico Mongol na cervejaria; o prato chamado Genghis Khan tem como base carne de carneiro e legumes (acelga, broto de feijão e cebola), e é preparado na hora em uma panela que fica no centro da mesa. Tudo isso, é claro, regado a cerveja Sapporo classic – muito bom!

Site_2486 Site_2487

Depois do almoço, fomos visitar o museu da cervejaria e conhecer um pouco da sua história. Ao final pudemos degustar uma cerveja que só é produzida para consumo local, chamada Kaitakushi Beer.

Site_2488 Site_2491 Site_2492 Site_2493 Site_2494 Site_2495

No dia seguinte (19/09/15) saímos cedo para conhecer o mercado Nijo, onde se pode encontrar algas secas (kombu), muitos peixes e caranguejos/king crabs, e frutas da estação, com destaque para as uvas e pêssegos (deliciosos). Na nossa opinião, o mercado local é sempre um passeio divertidíssimo, além de uma ótima chance de se conectar à cultura e costumes locais.

Site_2496 Site_2497 Site_2498 Site_2499 Site_2500 Site_2501 Site_2502

Do mercado seguimos para uma fábrica de chocolate chamada Shiroi Koibito, ou “Namorado Branco” em uma tradução literal. A fábrica construída no estilo Tudor inglês, produz um dos mais famosos doces de Hokkaido, que é um biscoito recheado de chocolate branco muito gostoso. Foi muito interessante passear pelos corredores da fábrica e conhecer o processo de produção do doce.

Site_2503 Site_2504 Site_2505 Site_2506 Site_2507 Site_2508 Site_2509

Da fábrica do Namorado Branco, seguimos para a cidade de Otaru, a Leste de Sapporo. Essa cidade banhada pelo mar do Japão foi um importante porto e entreposto comercial para o Norte do Japão, mas aos poucos o comércio marítimo perdeu importância e a atividade econômica mais importante passou a ser o turismo. Uma curiosidade de Otaru é o relógio a vapor, instalado em uma praça; ele é idêntico ao relógio a vapor de Gastown em Vancouver, Canadá – muito legal!

Site_2515 Site_2516

Na rua principal de Otaru há uma centena de lojinhas que vendem artigos de vidro e caixinhas de música (sim, caixinhas de música), além de restaurantes que servem os melhores e mais frescos peixes e frutos do mar (uma delícia); é claro que aproveitamos a oportunidade para comer um ótimo sushi preparado pelo dono do restaurante.

Site_2510 Site_2511 Site_2512 Site_2513 Site_2514 Site_2517 Site_2518 Site_2519 Site_2520

À noite fomos conhecer a rua mais movimentada de Sapporo, chamada Susukino. É um calçadão coberto parecido com a Fremont Street de Las Vegas, mas no lugar dos cassinos existem os Patinkos, que são uma espécie de caça níqueis muito popular aqui no Japão.

Site_2521 Site_2522 Site_2523

No nosso último dia em Hokkaido (20/09/15), seguimos para o interior da ilha até a cidade de Furano, onde visitamos uma fábrica de queijos. Como estamos no meio de um feriadão de 5 dias, a fábrica estava fechada, mas do lado de fora estava acontecendo um festival organizado pelos funcionários.

Site_2524 Site_2525 Site_2526 Site_2527 Site_2528

De lá seguimos para uma fazenda de cultivo de lavanda. Infelizmente a época de lavanda já terminou, mas mesmo assim o jardim estava muito bonito com flores de várias partes, inclusive do Brasil. A fazenda produz vários produtos de lavanda, inclusive sorvete (estranho, mas gostoso); e para fechar o passeio fomos a um mirante na cidade de Biei, de onde se tem uma vista muito bonita de todo vale de Furano. Esse vale foi utilizado por diversas empresas como a Nissan e a fabricante dos cigarros Mild Seven, nas suas embalagens e propagandas – muito bonito.

Site_2530 Site_2529 Site_2531 Site_2532 Site_2533 Site_2534 Site_2535 Site_2536 Site_2537 Site_2538

O passeio por Hokkaido foi muito legal. As paisagens são muito bonitas e o clima da ilha muito agradável. Uma outra época que deve ser muito legal é o inverno, quando acontece o festival de Sapporo, famoso pelas enormes esculturas de gelo. Quem sabe um dia não voltamos no inverno para conferir esse festival.

Ufa! Quanta coisa! Agora é hora de arrumar as malas novamente e seguir para o extremo Sul do Japão para a ilha de Okinawa.

Como comentamos, na última segunda-feira (14/09/15) embarcamos para a terra do Sol Nascente, e após uma breve conexão em Dubai chegamos em Tóquio na tarde da quarta-feira (16/09/15). A primeira constatação que fazemos quando viajamos para a Ásia é que perdemos um dia da viagem; a diferença de fuso horário (12 horas em relação a São Paulo) e o tempo de viagem (25 horas de voo, sem considerar o tempo de espera na conexão) acabam tomando um dia de passeio.

Site_2437

A escala em Dubai durou pouco mais de 4 horas e foi tranquila pois não tivemos que fazer a imigração. Para passar o tempo, o aeroporto oferece muitas distrações (lojas), mas como o aeroporto é enorme tivemos que tomar cuidado para não perder o horário de embarque. No primeiro trecho (São Paulo – Dubai), tentamos dormir e no segundo trecho (Dubai – Tóquio) a ordem era não dormir para já entrar no fuso horário japonês.

Site_2438

Chegamos em Tóquio muito animados pois estávamos retornando para a terra dos nossos avós e bisavós. É incrível imaginar que eles deixaram o Japão sem nada para tentar uma vida melhor em um país totalmente desconhecido, com uma lingua, cultura, costumes e comida diferentes. Que coragem!

Site_2441

Acho que nos sentimos mais ou menos como nossos antepassados quando chegamos em Tóquio, pois apesar de entendermos um pouco de japonês e conhecermos alguns costumes, quando pisamos no Aeroporto de Narita descobrimos que somos totalmente ignorantes pois não entendíamos nada, nem o que eles falavam, muito menos o que estava escrito. Sobre os costumes, é melhor nem comentar…rs

Site_2439 Site_2442

O Japão de hoje é bem diferente daquele que os nossos avós e bisavós deixaram; muito mais moderno, conectado e iluminado, mas apesar de toda globalização, é um país que ainda mantém suas tradições. Esse é um dos poucos países do mundo onde o velho convive em perfeita harmonia com o novo e o tradicional divide espaço com o moderno.

Site_2440 Site_2469 Site_2481 Site_2482

Nós chegamos debaixo de um toró (não confunda com o toro – barriga do atum) e apesar do teru teru bozo (boneco para chamar o sol) que fizemos, a chuva não deu trégua. No dia seguinte (17/09/15), com guarda-chuva na mão, encaramos o mal tempo e fizemos um city tour por Tóquio para conhecer o Santuário Meiji, a Praça do Palácio Imperial, o Templo de Asakusa Kannon e Arcada Nakamise e a Torre Tokyo Skytree.

Site_2443 Site_2444

O Japão tem uma população de 127 milhões de pessoas em uma área do tamanho do Estado do Mato Grosso do Sul, e desse total, cerca de 9.4 milhões de pessoas vivem na Cidade de Tóquio. Com números como esse já dá para imaginar que ficar sozinho em Tóquio é praticamente impossível, não é mesmo?

Nós iniciamos o passeio pelo Santuario Meiji (Meiji Jingü), localizado no bairro de Shibuya. Esse é um templo xintoísta (religião japonesa) dedicado aos espíritos deificados do Imperador Meiji (falecido em 1912) e sua esposa, a Imperatriz Shoken. Ele foi construído entre 1920 e 1921 e durante muitos anos foi restrito aos nobres e à família imperial japonesa, mas hoje nós, reles mortais, podemos visitar esse maravilhoso templo e fazer nossas orações.

Site_2446 Site_2447 Site_2445 Site_2449 Site_2448 Site_2452 Site_2451 Site_2450

Saindo do Santuário Meiji, seguimos para o Palácio Imperial, residência oficial do Imperador Japonês Akihito e da Imperatriz Michiko, que foi construído no mesmo local onde se localizava o palácio da família Tokugawa que governava o Japão em um regime chamado de Shogunato, que precedeu o imperialismo. Infelizmente o tempo estava péssimo e para ajudar o Palácio Imperial está sendo restaurado, então não deu para ver muita coisa.

Site_2454 Site_2453 Site_2456 Site_2455 Site_2457

Do Palácio Imperial fizemos uma pausa para o almoço no Asahi Bulding (sede da cervejaria de mesmo nome), também conhecido como o prédio do cocozão dourado (quem disse isso foi a nossa guia).

Site_2459 Site_2458 Site_2460 Site_2461

Depois seguimos para a Arcada Nakamise, que é um shopping de rua com uma centena de lojinhas que vendem de tudo, de kimonos a doces e salgados e bugigangas.

Site_2468 Site_2462 Site_2466 Site_2465 Site_2467 Site_2470

A Arcada Nakamise dá acesso ao Templo de Asakusa Kannon, um dos templos budistas mais importantes do Japão, onde pudemos novamente fazer nossas orações, além de curar nossos males com um pouco de fumaça de incenso que queimava em um oratório na entrada do Templo.

Site_2463 Site_2464 Site_2471 Site_2472 Site_2473 Site_2474 Site_2475 Site_2477 Site_2476

Para fechar nosso molhado passeio por Tóquio, fomos conhecer o observatório do Tokyo Skytree, que é a mais nova torre de transmissão de Tóquio, com 634 metros de altura e finalizada em 2011. O observatório está localizado a 350 metros de altura e em dias claros dá para ver o Monte Fuji, mas com o tempo que nós pegamos mal conseguíamos ver as ruas abaixo da torre. De qualquer forma, valeu!

Site_2478 Site_2479 Site_2480

Apesar da chuva, nossa primeira impressão do Japão foi ótima! Agora, se o tempo melhorar vai ficar perfeito. Amanhã (18/09/15) seguiremos para a capital da ilha de Hokkaido, Sapporo. Vamos ver o que nos aguarda.

E (Quase) Voltamos!

Voltamos! Quer dizer, quase voltamos! No dia que completamos 1 ano de viagem (30/08/15) retornamos ao Brasil, mas não se trata do fim do nosso passeio pelas Américas e sim de uma pausa para regularizar alguns documentos e tirar o visto antes de embarcar com nossas famílias para o Japão (férias das férias como dizem as más línguas).

Site_2431

No dia 29/08/15 deixamos o Godzilla estacionado no aeroporto de Toronto e na manhã do dia 30/08/15, após um voo de 10 horas, vimos São Paulo da janelinha do avião. A sensação de voltar para casa sem o nosso parceiro de viagem é um pouco estranha, mas ao ver a cidade bateu aquela sensação gostosa de chegar em casa após uma viagem.

Chegamos no domingo e já fomos direto para a casa dos pais da Liene, onde nossas famílias nos esperavam para o almoço. Foi ótimo encontrar nossos pais e contar um pouco das aventuras que vivemos nesse último ano. Infelizmente não deu para chamar todo mundo, mas pode deixar que quando retornarmos definitivamente ao Brasil marcaremos algo para matar a saudade de todos.

Site_2425

Como a viagem para o Japão está marcada para o dia 14/09/15, tínhamos muito pouco tempo para cuidar de tudo. A primeira providência foi dar entrada no pedido de visto do Japão, que fizemos logo na segunda-feira 31/08/15. A boa notícia é que o visto foi deferido e já na quinta-feira recebemos de volta os nossos passaportes com o visto japonês.

Site_2435

A próxima providência foi a renovação da carteira de motorista da Liene, que venceu em janeiro desse ano, mas que de acordo com as regras do Detran só pode ser renovada 30 dias antes do seu vencimento. Esse contratempo não nos causou nenhum problema durante a viagem, mas fica a nossa crítica a essa norma totalmente inflexível do Detran. Pelo menos o Poupatempo funciona!

Site_2430

Ainda seguindo a nossa via crúcis, fomos ao Cartório Eleitoral para justificar nossa ausência nas eleições de 2014. É cobrada uma multa de R$ 3,51 por turno da eleição e como perdemos os dois turnos acabamos pagando uma multa de R$ 7,02 cada um. O porquê de pagar a multa é o fato de não termos exercido o nosso direito mais precioso, mas tudo bem, não dá para fazer tudo!

Site_2433

No meio dessa correria toda, tivemos tempo de ir ao casamento do Frederico e da Thais, rever alguns amigos, e receber os amigos Ivan e Flor da Veraneio Viajante que retornaram para casa após rodar por toda a América do Sul em uma viagem de mais de 1 ano e 40.000 km com sua querida companheira, a Veruska, uma senhora Veraneio (com V maiúsculo) com mais de 40 anos de idade. Sejam bem vindos de volta, amigos! Infelizmente o tempo foi curto e ficamos devendo muitos almoços, cafés e happy hours, mas já já estaremos de volta.

Site_2434 Site_2432 Site_2427 Site_2428 Site_2429

Também aproveitamos nossa passagem relâmpago por São Paulo para fazer alguns novos amigos. No feriado marcamos um bate-papo com a Sophia e o Arthur da Caudalosa América (https://www.facebook.com/caudalosaamerica?fref=ts); a Mariana e o Plácido do Livre Partida (https://www.facebook.com/livrepartida?fref=ts); e os queridos Walfredo e Luciene da Família Kumm Adventures (https://www.facebook.com/FamiliaKummAdventurePhotos?fref=ts).

Em comum temos o carro (todos nós dirigimos Land Rovers Defenders 110), a paixão pela estrada e o Alasca como meta (cumprida para nós e a ser cumprida para eles). A Mariana e o Plácido serão os primeiros a partir agora em novembro; logo em seguida, em dezembro, saem a Sophia e o Arthur e no começo de 2016 (fevereiro) partem a Luciene e o Walfredo.

Valeu Pessoal! Foi um enorme prazer conhecê-los. Passamos uma tarde muito agradável cheia de histórias para contar, dúvidas para partilhar e muitas risadas. Só esperamos que as nossas dicas sejam úteis para vocês e podem ter certeza que viajaremos com vocês! Aproveitem!

Site_2426

Ufa! Foi tão corrido que nem vimos o tempo passar. Essas duas semanas voaram e agora é a nossa vez de voar também rumo ao Japão; e com esse post encerramos nossa curtíssima passagem pelo Brasil e inauguramos dois novos capítulos em nosso site, Oriente Médio e Ásia. A partir de hoje o Zanzando deixa de ser apenas uma viagem de carro pelas Américas.

Site_2436

Nessa segunda passagem pelo Canadá tivemos alguns problemas mecânicos com o Godzilla, nada sério, mas o reparo sempre gera um custo extra. Também optamos por ficar apenas em hotéis e não acampar, principalmente nas cidades grandes como Montreal e Toronto.

Com isso, seguem os números da nossa primeira passagem pelo Canadá:

GPS

Km total rodado 3.669
Km médio/dia 203
Dias com o carro parado 6
Paradas policiais 0
Paradas fitosanitárias 0

Diesel

Litros consumidos 448,78
Autonomia média Km/L 9,73
Litro mais caro (USD) 0,830
Litro mais barato (USD) 0,764
Valor médio diesel (USD) 1,02

Calendário

Número de dias total 18
Províncias (Estados) 7

Clima

Condição Dias
Sol 16
Nublado 1
Neve
Chuva
Sol/Chuva 1
Calor > 20 18
Normal
Frio < 10
Frio < 0

Acomodação

Condição Dias
hotel 16
acampamento
hostel
casa  2

Em nossa última passagem pelo Canadá optamos por ficar em hotéis. Nas grandes cidades é sempre mais complicado achar um lugar onde é possível estacionar o Godzilla, mas conseguimos encontrar boas alternativas.

Vejam onde ficamos e o que achamos:

FREDERICTON (14/08/15)

Site_2333

Howard Johnson Fredericton (http://www.hojofredericton.com). Um hotel da rede Howard Johnson com estacionamento aberto, wifi, piscina e café da manhã. O quarto tinha cheiro de cigarro e era um pouco barulhento por ficar muito próximo a escada.

Nossa classificação – Razoável

NEW GLASGOW (15/08/15)

Site_2334

Travelodge Suites New Glasgow (http://www.travelodge.com/hotels/nova-scotia/new-glasgow/travelodge-new-glasgow/hotel-overview). Um hotel da rede travelodge com estacionamento aberto, wifi (bom) e café da manhã. Fica próximo a um shopping e restaurantes.

Nossa classificação – Bom

LOUISBOURG (16/08/15)

Site_2335

Peck’s Housekeeping Cottages (http://louisbourg.com/riverdale/cottages.html). Uma ótima opção em Louisbourg com cabanas com 2 quartos, banheiro, sala e cozinha e área de camping. Wifi e estacionamento.

Nossa classificação – Bom

HALIFAX (18/08/15)

Site_2355

Commons Inn (http://www.commonsinn.ca). Um hotel simples no centro de Halifax. Dá para ir a pé para a maioria dos pontos turísticos. Tem um minúsculo estacionamento aberto, café da manhã e wifi.

Nossa classificação – Razoável

FREDERICTON (19/08/15)

Site_2356

Comfort Inn Fredericton (http://www.frederictoncomfortinn.com). Um hotel da rede Comfort Inn próximo a oficina que deixamos o Godzilla. Estacionamento aberto, wifi e café da manhã. O staff é muito atencioso.

Nossa classificação – Muito Bom

QUÉBEC CITY (21/08/15)

Site_2358

Best Western Premier Hotel Aristocrate (http://www.hotelaristocrate.com/en). Em Québec optamos por ficar em um hotel afastado do centro em razão do custo mais baixo e do estacionamento. Ficamos no Best Western que tem piscina, wifi, estacionamento aberto e um traslado de graça para o centro da cidade.

Nossa classificação – Muito bom

MONTREAL (23/08/15)

Site_2375

Hotel Universel Montreal (http://www.hoteluniverselmontreal.com). Um hotel antigo, situado ao lado do parque olímpico. Os quartos estão desatualizados e o restaurante do hotel é bem ruim. O hotel tem estacionamento aberto, wifi (bom), piscina e traslado para qualquer lugar em um raio de 3 km do hotel.

Nossa classificação – Razoável

OTTAWA (24/08/15)

Site_2376

Econo Lodge Downtown Ottawa (http://www.econolodgeottawa.com). Um hotel da rede Econo Lodge situado a cerca de 1 km do Parlamento. A rua é um pouco esquisita, cheia de desabrigados, mas não é perigosa para andar. Estacionamento aberto e café da manhã. A limpeza do quarto poderia ser melhor

Nossa classificação – Ruim

TORONTO (26/08/15)

Site_2377

Days Inn Toronto East Beaches (http://www.daysinntoronto.ca/). Um hotel da rede Days Inn com estacionamento aberto e grátis, wifi (bem ruim) e café da manhã. Fica afastado do centro, mas na linha do street car (bondinho) da Queen Street. Nosso quarto era um pouco apertado, mas bem tranquilo.

Nossa classificação – Razoável

TORONTO (10/10/15)

Site_2866

Fairfield Inn & Suites Toronto Airport (http://www.marriott.com/hotels/travel/yyzfs-fairfield-inn-and-suites-toronto-airport/). Um hotel da rede Fairfield (Marriott) próximo ao aeroporto internacional de Toronto. Está afastado do centro de Toronto (40 minutos sem trânsito), mas é bastante confortável, com piscina, estacionamento aberto e café da manhã.

Nossa classificação – Bom

A Caminho de Casa

No dia 25/08/15 chegamos em Toronto. Esta é a maior cidade canadense e quarta maior da América do Norte com cerca de 5.6 milhões de habitantes na região metropolitana (2.7 apenas na cidade) e, apesar do seu tamanho, Toronto ainda é uma cidade muito agradável para caminhar e explorar, com muitos museus, parques e atrações como a CN Tower.

Site_2405

Logo que chegamos fizemos um programa muito legal. A convite do Fernando Pinheiro, um canadense de origem portuguesa, participamos da reunião mensal do The Land Rover Adventure Association of Ontario, que reune entusiastas da marca na província de Ontário. Foi uma noite muito divertida (tão divertida que esquecemos de registrar o encontro) e tivemos o privilégio de conhecer muita gente legal.

Site_2406

É engraçado como uma marca de carros pode reunir pessoas tão diferentes! Já dissemos isso em um post anterior, mas não cansamos de repetir; não poderíamos ter acertado mais na escolha do carro para essa viagem! Hoje nós entendemos que ao comprar uma Land Rover você não compra apenas um carro, você passa a fazer parte de uma enorme família; e o mais legal disso tudo é que não importa a sua origem, cor, idioma ou religião, somos todos amigos a ponto de abrir nossas casas para receber outros proprietários da marca.

Voltando a Toronto, nos dias que passamos por aqui, apesar das inúmeras atrações da cidade, dedicamos a maior parte do nosso tempo a organização das nossas coisas e preparação do Godzilla para o que está para vir. De atividades turísticas apenas fomos conhecer o Bata Shoe Museum, um interessante museu dedicado a história dos sapatos, e dar uma volta pelo centro da cidade que estava decorado para os Jogos Panamericanos e Para-panamericanos, que acabaram de acontecer.

Site_2408 Site_2413 Site_2412 Site_2409 Site_2411 Site_2410 Site_2418 Site_2416 Site_2415 Site_2417 Site_2414 Site_2421 Site_2422

A preparação do Godzilla tem um motivo muito especial. No dia que completamos 364 dias de viagem retornaremos ao Brasil; sim, é isso mesmo, vamos deixar o Godzilla em um estacionamento em Toronto e chegaremos em São Paulo no dia 30/08/15, mas podem ficar tranquilos pois esse não é o fim da nossa aventura. Apenas faremos uma pausa de 15 dias para organizar algumas coisas antes de levar o Zanzando para o outro lado do mundo. No dia 14 de setembro de 2015 embarcaremos para o Japão e de lá retornaremos a Toronto para encerrar nossa jornada de carro pelas Américas.

Enquanto o embarque para São Paulo não chega, nada melhor do que aproveitar os dias de “folga”. Na quinta-feira (27/08/15) fomos jantar com nossos primos Jun e Chong que vivem em Toronto. Eles nos levaram a um bistrô chamado Auberge du Pommier que estava simplesmente delicioso, mas o melhor disso tudo foi poder revê-los. Valeu, Jun e Chong! Até a volta!

Site_2407 Site_2404

Na sexta-feira (28/08/15) encontramos novamente com o Fernando Pinheiro e sua esposa para jantar. O Toze, outro membro do clube de Toronto e dono de Defender 90 branca, também deu uma passada no restaurante, o que só tornou a noite mais divertida. O jantar estava tão bom que nem nos demos conta da hora e infelizmente tivemos que nos despedir, mas já marcamos um novo encontro para o nosso retorno. Fernando e Elisabete, foi um enorme prazer conhecê-los. Muito obrigado pela hospitalidade e pela ótima companhia. Até a volta!

Site_2420 Site_2419

Enfim, chegou a hora de retornar. Hoje a tarde deixamos nosso companheiro de viagem em um estacionamento próximo ao Aeroporto Internacional de Toronto, onde ele ficará até o dia 10 de outubro, quando retornaremos para finalizar a viagem.

Site_2423 Site_2424

Montreal e Ottawa

No dia 23/08/15 nos despedimos de Québec, mas apenas da cidade e não da província pois a nossa próxima parada foi na Cidade de Montreal. A cidade sede dos Jogos Olímpicos de 1976 é enorme, 1.650 milhões de habitantes apenas na cidade de Montreal e 3.820 milhões na região metropolitana, o que a situa como segunda maior cidade canadense.

Site_2391 Site_2381 Site_2385 Site_2387

Montreal é uma cidade que agrada a todos. Quem está buscando história e arquitetura pode caminhar pelo centro antigo; já quem busca atividades ao ar livre pode ir ao Mount Royal Park; e quem quiser fazer compras, o destino é a Rue Sainte Catharine cheia de grifes e shoppings.

Site_2379 Site_2390 Site_2380 Site_2382 Site_2383 Site_2384 Site_2386 Site_2378

Uma curiosidade sobre Montreal é o RÉSO, que é o sistema subterrâneo que interliga vários prédios do centro da cidade e conta com lojas, restaurantes, serviços etc. Em nossa visita a Montreal em 2013 ficamos mais de 4 horas caminhando pela cidade subterrânea e não andamos nem a metade de sua extensão. Dessa vez, utilizamos o RÉSO para fugir do calor de quase 30 graus que estava fazendo na cidade.

Site_2389 Site_2388

De Montreal seguimos no dia 24/08/15 para Ottawa, capital federal do Canadá. Em 2013 pegamos um tempo horroroso em Ottawa (frio e chuvoso), então essa visita era quase uma segunda chance e o dia prometia pois o céu estava azul e a temperatura agradável; mas foi só chegarmos perto de Ottawa para a chuva começar e a temperatura despencar. Karma? Rs.

Site_2392

Enfim, mesmo com chuva caminhamos até o Parlamento, vimos a troca da guarda no monumento do soldado sem n0me e almoçamos no ByWard Market. Em Ottawa uma boa pedida é o Museu da Civilização, mas como já tínhamos visitado esse museu em 2013, não repetimos o passeio.

Site_2398 Site_2397 Site_2396 Site_2395 Site_2394 Site_2393

À noite retornamos ao Parlamento para assistir ao show de luzes que só acontece no verão. O tema desse ano eram as luzes do norte e contava a história do Canadá e seu povo de uma forma muito leve. O show de luzes do Parlamento ajudou a tirar um pouco da má impressão que eu (Dan) tinha de Ottawa, mas essa é uma cidade que ainda não me convenceu totalmente. Quem sabe em uma terceira visita.

Site_2402 Site_2403 Site_2400 Site_2401 Site_2399

Bienvenue à Québec!

De Louisburg seguimos no dia 18/08/15 para Halifax, capital e principal cidade da Província de Nova Scotia. Pretendíamos passar um ou dois dias para descansar um pouco, conhecer a cidade e ouvir algumas histórias sobre o Titanic; sim, Halifax foi a cidade para onde os corpos e muitos destroços do Titanic foram levados após o desastre de 10/04/1912, tanto que o museu marítimo da cidade é considerado um dos melhores acervos sobre ele.

Entretanto, assim como o navio que foi construído para não afundar, nossos planos naufragaram também. Um vazamento na bomba de direção hidráulica do Godzilla nos deixou em uma situação difícil e, como comentamos em um post anterior, como o nosso carro não consta no sistema das oficinas, ninguém quer mexer nele. Até tentamos resolver o problema sozinhos, mas não foi possível.

Pensamos em várias possibilidades, inclusive dirigir mais de 1.900 quilômetros até Toronto com a bomba vazando, mas não seria muito viável já que estávamos perdendo mais de meio litro de fluído a cada 250 quilômetros. Mais tarde lembramos da oficina em Fredericton, New Brunswick, a 450 quilômetros de Halifax, que tinha feito o reparo da linha de freio quando entramos no Canadá; decidimos levar o Godzilla para lá e, na pior das hipóteses, estaríamos 450 quilômetros mais perto de Toronto onde já tínhamos conseguido fazer contato com uma oficina.

No dia 19/08/15 levamos o Godzilla para Fredericton e literalmente lavamos a parte de baixo e a porta traseira dele de fluído da direção hidráulica, mas conseguimos chegar sem maiores problemas. No dia seguinte (20/08/15), o pessoal da Jensen’s Powertrain confirmou o que temíamos, ou seja, a bomba da direção hidráulica estava vazando pela junta. Normalmente não se abre a bomba para trocar a junta, o certo seria trocá-la, mas uma nova bomba levaria pelo menos 1 semana para chegar e enquanto isso ficaríamos presos em Fredericton.

Ainda bem que o pessoal da Jensen é a exceção da regra “se não está no sistema não existe”. Eles disseram que poderiam fazer uma junta nova utilizando a velha como molde. Ótimo! Não sabemos quanto essa nova junta irá aguentar, mas pelo menos podemos seguir em frente. Em menos de 3 horas já tinhamos montado tudo e após um banho no Godzilla estávamos prontos para seguir em frente.

Site_2359

No dia 21/08/15 rodamos bastante e chegamos no meio da tarde em Québec City, capital da província mais francesa do Canadá. Aqui a língua oficial é o francês e não é difícil encontrar pessoas que simplesmente não falam inglês, especialmente fora dos grandes centros. Quando entramos na Província de Québec, parece que estamos mudando de país; tanto que os Québécois tiveram um referendo em 2006 para decidir se permaneceriam como uma província canadense ou se seriam independentes.

A Cidade de Québec foi nossa primeira parada na província, e que lugar! Estivemos aqui pela última vez no começo da primavera de 2013 e a Liene retornou com a família no verão desse mesmo ano, mas esse é um daqueles lugares que a gente simplesmente não cansa de visitar. A principal atração é a Citadelle, que é a parte fortificada e muito bem preservada de Québec.

Um dos pontos principais da Citadelle é o Château Frontenac, que é um hotel muito bonito da rede Fairmont, tido como um dos hotéis mais fotografados do mundo (exagero franco-canadense). Em nossa visita em 2013 ficamos hospedados nesse hotel mas, dessa vez, com nosso orçamento overlander, só pudemos registrar algumas imagens dele.

Site_2360 Site_2374

Continuando o passeio por Québec, por ser verão (e o dia estava ótimo) as ruas estavam cheias, os restaurantes tinham mesas do lado de fora ao lado dos pintores, caricaturistas e fotógrafos, e muitos artistas e músicos se apresentavam nas praças e calçadões. Esse clima é uma característica marcante da cidade e foi aqui, nas ruas de Québec, que surgiu o Cirque du Soleil e todo verão eles fazem algumas apresentações de graça e ao ar livre para quem estiver passando – muito legal!

Site_2370 Site_2361 Site_2362 Site_2363 Site_2364 Site_2365 Site_2366 Site_2367 Site_2368 Site_2369 Site_2371 Site_2372 Site_2373

Nossa passagem por Québec foi curta, mas muito legal. Esse é um lugar que ainda esperamos voltar outras vezes.

Fortress of Louisbourg

No dia 15/08/15 deixamos a Província de New Brunswick e entramos em Nova Scotia, ponto mais ao leste que chegaremos na América do Norte. Após uma noite em New Glasgow seguimos até a Ilha de Cape Breton, onde está localizado o Forte de Louisbourg.

Site_2336 Site_2338

A região de Louisbourg, antiga colônia francesa, começou a ser ocupada em 1713 e sua principal atividade econômica era a pesca. Com o aumento da atividade pesqueira em Louisbourg, a cidade cresceu em tamanho (cerca de 5 mil pessoas circulavam por lá) e importância, o que fez com que o Rei Luis XIV da França determinasse a sua fortificação.

Site_2340 Site_2339

Entre 1720 e 1740 a muralha e as principais construções militares foram erguidas e Louisbourg se tornou uma das maiores e mais caras fortificações europeias em terras americanas, mas apesar de todas as precauções francesas, em 1745 a cidade foi conquistada pelos ingleses após algumas semanas de cerco.

Site_2342 Site_2344 Site_2348

Três anos mais tarde, em 1748, com a assinatura do tratado de paz entre a Inglaterra e França, Louisbourg foi devolvida aos franceses, mas o domínio francês não durou muito tempo, pois em 1758 os ingleses tomaram novamente a cidade. Após a segunda queda, os engenheiros ingleses destruiram com explosivos partes da muralha que cercavam a cidade para que não pudesse ser utilizada pelos franceses, caso Louisbourg fosse novamente devolvida ou conquistada, o que nunca aconteceu.

Algum tempo depois Louisbourg começou a perder importância para a cidade de Halifax ao sul, que tinha um porto com melhor acesso e melhores condições para manter a indústria pesqueira e naval. Apenas em 1920 a Cidade de Louisbourg, com a criação do Parque Nacional da Fortaleza de Louisbourg, é que a cidade recuperou um pouco da sua glória.

Em 1961 o Governo Canadense iniciou a reconstrução da cidade, que hoje conta com os principais prédios e parte da muralha que cercava a cidade. Para completar, muitas pessoas vestidas a caráter, inclusive crianças (que ainda estão de férias) circulam pela cidade e representam vários atos cotidianos. Também são realizadas apresentações com disparos de mosquetes e canhões, que para nós foi o ponto alto da visita a Louisbourg.

Site_2337 Site_2345 Site_2347 Site_2341 Site_2343 Site_2346 Site_2353 Site_2352

Humilhação em praça pública era uma das punições para as pessoas que cometiam pequenos crimes:

Site_2350 Site_2349

A versão moderna inclui foto para o facebook, mas o que será que esse menino fez para o seus pais? (rs)

Site_2351

Saindo da Fortaleza de Louisbourg fomos até o local onde foi construído o primeiro farol canadense. O farol foi construído em 1734 com o intuito de diminuir o número de naufrágios, mas um incêndio em 1736 destruiu a lanterna, que foi recolocada em 1738. Em 1842 o farol foi substituído por uma construção moderna de madeira com 3 andares, que acabou sendo destruída em um incêndio em 1922. O que vimos hoje é a terceira construção finalizada em 1923 e em uso até hoje.  Muito legal!

Site_2354

Site_2331 Site_2332

No dia 11/08/15 à noite estávamos saindo de um restaurante em Worcester (perto de Boston), quando um carro parou e o motorista elogiou o Godzilla. Era o Peter Janney, também conhecido como Baby Spice, um apaixonado de segunda geração por Defenders, proprietário de um excelente Defender 200 Tdi, e mecânico responsável por restaurações na oficina J.White’s Automotive (http://www.jwhitesautomotive.com) em Framingham.

O Peter nos contou que sua namorada viu o Godzilla estacionado na porta do restaurante e ligou para ele vir correndo ver o carro, e ficamos muito contentes pois saímos no exato momento que ele chegou. Ficamos um tempo batendo papo no estacionamento e combinamos que no dia seguinte passaríamos na oficina antes de seguir nosso caminho até Salem.

Na manhã seguinte passamos na J.White’s Automotive onde conhecemos os seus proprietários, Jeff e Shirley, e toda a equipe da oficina. Acho que essa manhã não foi muito produtiva para eles, pois quando chegamos distraímos todo mundo com o Godzilla e as histórias da nossa viagem.

Tomamos um café, fizemos um tour pela oficina com a Shirley e tiramos uma foto com todos da oficina. Ficamos impressionados com a quantidade de Defenders e outros carros menos importantes, como uns Toyotas, que estavam no pátio da oficina aguardando a sua vez para receber os cuidados da equipe da J.White’s; bem que gostaríamos de dar um trato no Godzilla e deixá-lo novinho, mas acho que isso só vai acontecer no Brasil mesmo.

Peter, Jeff, Shirley e todos os amigos da J.White’s Automotive. Muito obrigado pela calorosa recepção! Adoramos conhecer vocês!

*     *     *

Last 08/11/15 we were leaving a restaurant in Worcester (close to Boston) when a car stopped and the driver congratulated us for the Godzilla. It was Peter Janne, a.k.a. Baby Spice, a second generation Defender lover, owner of an excellent 200 Tdi and mechanic responsible for restorations at J.White’s Automotive (http://www.jwhitesautomotive.com) located in Framingham.

Peter told us that his girlfriend saw the Godzilla parked in front of the restaurant and called him to rush there to check the rig and fortunately we left the restaurant in the exact moment that he arrived. We talked for a while and agreed to meet again in the next morning in the shop that was on the way to Salem.

Next morning we stopped by J.White’s Automotive where we met the owners, Jeff and Shirley, and the great staff of the shop. We believe that this morning was not productive for the shop because we distracted everyone with the Godzilla and our adventure through the Americas.

We had a great coffee, toured the shop with Shirley and took a picture with everyone. We were really impressed with the number of Defenders and other less relevant cars such as Toyotas, that were siting in the patio waiting for its turn to be taken care by the talented team of J.White’s. We would love to do the same with the Godzilla, but I guess it will have to wait until we return to Brazil.

Peter, Jeff, Shirley and all our new friends from J.White’s Automotive. Thanks for the hospitality! It was great to meet you!

Bienvenue au Canada

Voltamos ao Canadá! Hoje (14/08/15) retornamos ao Canadá para cumprir a penúltima perna dessa jornada pela América do Norte. Cruzamos a fronteira entre os Estados de Maine (EUA) e New Brunswick (Canadá) e seguimos até a capital Fredericton. A fronteira foi bem tranquila, algumas perguntas e em pouco mais de 5 minutos já tínhamos sido liberados.

Site_2329

Entretanto, logo que entramos o Godzilla resolveu dar um pouco de trabalho. Quando chegamos em Fredericton notamos um vazamento de fluído sobre o diferencial traseiro. Olhando com um pouco mais de atenção percebemos que era um vazamento de fluído de freio, e isso é perigoso. Como era sexta-feira aproveitamos para levar o carro até algum lugar onde a linha pudesse ser inspecionada e o reparo feito, mas nem tudo é tão simples assim.

Aqui no Canadá, assim como nos EUA, o que manda é o computador e para ele os Land Rovers Defenders só existem de 1993 a 1996 (o nosso é 2005) e somente com motor V8 a gasolina (o nosso é diesel), ou seja, o nosso carro “não existe” e por isso ninguém quer mexer ou sequer olhar para ver se é algo simples ou não.

Tivemos que passar em 3 lugares diferentes até que uma oficina concordou em olhar o vazamento. Constatamos que o flexível havia rachado e estava deixando o fluído de freio vazar (nada complicado – ainda bem!). Em menos de 1 hora fizemos uma nova linha de freio e solucionamos o problema.

Site_2330

Quando iniciamos essa jornada, tínhamos a impressão de que seria muito mais fácil arrumar qualquer problema do Godzilla aqui do que no resto das Américas, mas não é bem assim. Ao contrário de todos os outros países da América do Sul e Central, onde o reparo, o improviso e até o remendo, resolvem alguns problemas, no Canadá e nos EUA, isso não existe. Trocar é a única solução conhecida e se não há peça disponível não tem conserto.

Por conta dessa falta de jogo de cintura dos americanos e canadenses, até uma simples troca de óleo é complicada. Todas as vezes temos que convencer o pessoal que só precisamos de 7.2 partes de óleo e a troca do filtro de óleo que nós já carregamos (nem tente pedir para eles procurarem um “similar” no estoque – é melhor comprar o filtro avulso em qualquer Walmart e entregar na troca de óleo).

Além disso a mão de obra é MUITO mais cara. Tomando hoje como exemplo, o reparo da linha custou 6,90 CAN em peças, mais 8,20 CAN de fluído e 69,00 CAN de mão de obra. É por isso que tantos canadenses e americanos são adeptos do DIY (do it yourself – faça você mesmo). Tá louco! rs

Onde Ficamos – EUA (Parte 3 – Costa Leste)

Nessa terceira passagem pelos EUA vivemos situações distintas. No Yellowstone conseguimos acampar e encontrar hotéis baratos, mas a medida que nos aproximamos da Costa Oeste os preços foram subindo.

Vejam onde ficamos e o que achamos:

GREAT FALLS (24/07/15)

Site_2156

Super 8 Great Falls (http://www.super8.com/hotels/montana/great-falls/search-results). Um hotel da rede Super 8 com estacionamento aberto, wifi e café da manhã. Os quartos são simples e deixam um pouco a desejar.

Nossa classificação – Razoável

PARQUE YELLOWSTONE – ENTRADA NORTE – GARDINER (25/07/15)

Site_2157

Yellowstone Vacation Campground (http://yellowstonevacationcampground.com). Um camping simples sem energia ou água. Banheiros e chuveiros compartilhados e uma pequena cozinha comunitária. O local era muito agradável a beira do rio. Não tem wifi.

Nossa classificação – Bom

PARQUE YELLOWSTONE – ENTRADA OESTE – WEST YELLOWSTONE (26/07/15)

Site_2158

Rustic Wagon RV Park and Campground (http://www.rusticwagonrv.com). Um camping na Cidade de West Yellowstone com toda a infraestrutura. Caro (48 USD com taxa), mas muito bom. Wifi, energia elétrica, banheiros limpos e chuveiros sem limite de tempo.

Nossa classificação – Muito bom

CODY (27/07/15)

Site_2159

Best Western Sunset Motor Inn (http://bestwesternwyoming.com/hotels/best-western-sunset-motor-inn). A cidade de Cody estava lotada de turistas que estavam aproveitando o verão, visitando o Parque Yellowstone e curtindo a semana de rodeios. Como consequência, todos os hotéis (dos mais simples aos mais caros) estavam lotados e super caros. Pegamos o último quarto do Best Wester, que tem wifi, estacionamento aberto e piscina.

Nossa classificação – Bom

BUFFALO (28/07/15)

Site_2195

Days Inn Buffalo (http://www.daysinn.com/hotels/wyoming/buffalo/days-inn-buffalo-wy/hotel-overview). Um hotel da rede Days Inn com estacionamento aberto, café da manhã e wifi (bom).

Nossa classificação – Bom

MURDO (29/07/15)

Site_2218

Range Country Western Lodging (http://rangecountry.com). Queríamos ficar em Rapid City, mas a cidade estava lotada em razão do encontro de proprietários de Harley Davidson e, consequentemente, os hotéis estavam com preços exorbitantes. Rodamos mais de 200 quilômetros até encontrar um hotel bom com preço acessível. O hotel tem estacionamento aberto, piscina, wifi (bom) e café da manhã.

Nossa classificação – Bom

SIOUX FALLS (30/07/15)

Site_2216

Super 8 Sioux Falls (http://www.super8siouxfalls.com). Esse Super 8 está bem localizado, próximo a um shopping e restaurantes. O hotel conta com estacionamento aberto, wifi e café da manhã.

Nossa classificação – Razoável

LA CROSSE (31/07/15)

Site_2217

Econo Lodge La Crosse (https://www.choicehotels.com/wisconsin/la-crosse/econo-lodge-hotels/wi135). Um hotel da rede Econo Lodge com estacionamento aberto, café da manhã e wifi.

Nossa classificação – Bom

CHICAGO (01/08/15)

Site_2219

Sleep Inn Midway Airport Hotel (https://www.choicehotels.com/illinois/bedford-park/sleep-inn-hotels/il103?source=gglocalai). Os preços em Chicago estavam muito altos, então optamos por ficar em um hotel fora do centro, mas perto da linha do metrô. Estacionamento aberto (cobrado), wifi e café da manhã.

Nossa classificação – Bom

INDIANAPOLIS (03/08/15)

Site_2242

Motel 6 Indianapolis – Airport (https://www.motel6.com/en/motels.in.indianapolis.4980.html). Em Indianapolis ficamos em um Motel 6 próximo ao aeroporto e ao autódromo de Indianapolis. O local não oferece muitas opções para comer e pegamos algumas pulgas na nossa cama. Wifi e estacionamento aberto.

Nossa classificação – Ruim

CAMBRIDGE (04/08/15)

Site_2273

Days Inn Cambridge (http://www.daysinn.com/hotels/ohio/cambridge/days-inn-cambridge/hotel-overview). Um hotel da rede Days Inn com estacionamento aberto, wifi e café da manhã.

Nossa classificação – Ruim

GETTYSBURG (05/08/15)

Site_2274

Super 8 Gettysburg (http://www.super8.com/hotels/pennsylvania/gettysburg/super-8-gettysburg-pa/hotel-overview). Um Super 8 com estacionamento aberto, piscina indoor. A recepcionista foi muito gentil organizou o tour em Gettysburg.

Nossa classificação – Razoável

LANCASTER (06/08/15)

Site_2275

Super 8 York (http://www.super8.com/hotels/pennsylvania/york/super-8-york/hotel-overview). Mais um hotel da rede Super 8. Estava sendo reformado e pintado por fora e alguns quartos (o nosso) já foram renovados. Wifi, café da manhã e estacionamento aberto. O staff não é muito gentil.

Nossa classificação – Razoável

NEW YORK (07/08/15)

Site_2276

Double Tree by Hilton – Chelsea (http://doubletree3.hilton.com/en/hotels/new-york/doubletree-by-hilton-hotel-new-york-city-chelsea-NYCCLDT/index.html). Achar um hotel em Nova Iorque com uma diária razoável é muito difícil, mas conseguimos um valor razoável nesse hilton de Chelsea (próximo ao Madison Square Garden). Outra coisa complicada é estacionamento; o Godzilla é considerado oversized e por isso há uma sobretaxa. Com isso, se conseguirmos achar um estacionamento que caiba o Godzilla, o valor será de 45 a 60 USD/diária. Para economizar um pouco deixamos o carro estacionado no Aeroporto de Newark (15 USD/dia) e pegamos um trem até Manhattan.

Nossa classificação – Muito bom

WOODBURY (10/08/15)

Site_2288

Hampton Inn Harriman Woodbury (http://www.hamptoninnwoodbury.com). Saímos de Nova Iorque, mas demos uma parada em Woodbury. Decidimos ficar nas redondezas e só havia o Hampton Inn, que não é barato, mas é bem confortável. Estacionamento aberto, wifi e café da manhã.

Nossa classificação – Muito bom

WORCESTER (11/08/15)

Site_2313

Red Roof Inn Worcester (https://www.redroof.com/property/Southborough/MA/01772/Hotels-close-to-Tufts-School-of-Veterinary-Medicine-New-England-Sports-Center-I-495/RRI075/). Resolvemos ficar antes de Boston e encontramos esse Red Roof a um preço bom. Quartos recém reformados, wifi e estacionamento aberto.

Nossa classificação – Razoável

PORTLAND (12/08/15)

Site_2327

Econo Lodge Maine Mall South Portland (https://www.choicehotels.com/maine/south-portland/econo-lodge-hotels/me049). Todos os hotéis de Boston até Portland estavam lotados e muito caros. O jeito foi rodar e entrar em um por um até encontrar um razoável. Acabamos ficando nesse Econo Lodge, que não estava barato, mas ok. Estacionamento aberto, wifi (ruim) e café da manhã. O hotel fica em frente a um shopping, o que é muito conveniente.

Nossa classificação – Razoável

LINCOLN (13/08/15)

Site_2328

The Whitetail Inn (http://thewhitetailinn.com). Um hotel pequeno e simpático na Cidade de Lincoln. quartos limpos e arejados, wifi e estacionamento aberto.

Nossa classificação – Muito bom

EUA em Números (Parte 3 – Costa Leste)

Nessa terceira passagem pelos EUA rodamos bastante e atravessamos 16 estados. Tivemos muita dificuldade para encontrar lugares para ficar na costa leste em razão dos altos preços, mas demos um jeito. Deixar o carro parado em aeroportos e circular de metrô foi uma boa ideia para evitar o caos das grandes cidades e, principalmente, o preço dos estacionamentos.

Com isso, vejam os números da nossa terceira passagem pelos EUA:

GPS

Km total rodado 6.548
Km médio/dia 311
Dias com o carro parado 3
Paradas policiais 0
Paradas fitosanitárias 0

Diesel

Litros consumidos 693,62
Autonomia média Km/L 9,44
Litro mais caro (USD) 0,908
Litro mais barato (USD) 0,660
Valor médio diesel (USD) 0,772

Calendário

Data inicial 24/07/15
Data final 14/08/15
Número de dias total 21
Estados 16

Clima

Condição Dias
Sol 19
Nublado 0
Chuva 1
Sol/Chuva 1
Calor > 20 19
Normal 2
Frio < 10 0
Frio < 0 0

Acomodação

Condição Dias
hotel 19
acampamento 2

 

As Bruxas de Salem

No dia 11/08/15 passamos por Salem, que fica a cerca de 1 hora da cidade de Boston, no Estado de Massachusetts. No século 18 Salem foi um dos portos mais importantes dos EUA e a riqueza que circulou pela cidade pode ser vista nas construções do centro que estão muito bem preservadas até hoje.

Site_2325 Site_2324 Site_2320 Site_2315 Site_2316 Site_2317 Site_2318 Site_2323 Site_2322

Entretanto, como disse o nosso guia, ninguém visita Salem por causa da sua história naval ou da belíssima arquitetura. 99% dos turistas que visitam a cidade (nós incluídos nesse grupo) estão mais interessados nas histórias de caça às bruxas de Salem, que aconteceram em 1692.

Site_2314

A caça às bruxas de Salem foi um caso de histeria coletiva que resultou no julgamento, condenação e morte por enforcamento de 19 pessoas, na sua grande maioria mulheres, além da prisão de mais de uma centena de pessoas, no que foi conhecido como o Julgamento das Bruxas de Salem.

Tudo começou quando um médico de Salem, Dr. William Griggs, diagnosticou que os espasmos e convulsões das primas Betty Parris (9 anos) e Abigail Williams (11 anos) eram causados por forças demoníacas. As três primeiras pessoas acusadas de bruxaria contra as crianças foram Sarah Good, Sarah Osborne e Tituba.

Em pouco tempo a histeria coletiva tomou conta do Estado de Massachusetts e centenas de pessoas foram injustamente acusadas de bruxaria e julgadas em um tribunal comum. Somente na Cidade de Salem aproximadamente 150 pessoas foram acusadas de bruxaria e levadas a julgamento.

Depois de algum tempo as pessoas começaram a admitir que as acusações eram injustas e infundadas, mas o estrago já tinha acontecido. 19 pessoas foram executadas e muitas outras perderam tudo que tinham por não poder trabalhar enquanto estavam presas ou em razão das dívidas decorrentes dos julgamentos e prisão. Anos mais tarde, o Governo dos EUA anulou todos os julgamentos e retirou o nome de todos os condenados nos julgamentos de Salem dos registros públicos do judiciário, mas a história será sempre lembrada.

Hoje, Salem convive bem com muitas bruxas e bruxos e a data mais movimentada para a cidade é o Halloween (óbvio!). Existem museus que contam a história dos julgamentos em uma espécie de teatro com bonecos de cera, e os tours levam até os lugares onde viviam algumas das pessoas acusadas, além dos locais de julgamento e execução das pessoas. Muito interessante!

Site_2326 Site_2319 Site_2321

%d blogueiros gostam disto: