A Avenida dos Vulcões

No dia 02/01/15 saímos de San Antonio para seguir sentido Sul pela Avenida de los Volcanes, nome dado pelo cientista Alexander Von Humboldt ao vale interandino do Ecuador que se extende por mais de 300 km de comprimento e 50 de largura, desde a Província de Imbabura (ao Norte) até o extremo Sul do país.

Site_0701 (imagem da internet)

A Avenida dos Vulcões é formada por mais 70 vulcões (alguns inativos) que fazem parte da cordilheira dos Andes no Equador e foram formados pelo choque das placas tectônicas do Oceano Pacífico com as placas continentais. A lista dos mais altos vulcões do Equador é extensa (10 deles estão acima dos 5.000 m), mas em nossa passagem visitamos os seguintes (por altura):

Chimborazo (6.310 m) – localizado dentro da Reserva Florestal de Chimborazo, é o ponto mais alto do Equador e, como os equatorianos gostam de dizer, o ponto mais próximo do Sol. Visitamos El Gran Coloso no dia 05/01/15; deixamos o Godzilla estacionado a 4.850m e fizemos um caminhada de mais 45 minutos para chegar ao segundo refúgio, situado a mais de 5.000m. Apesar das nuvens e do frio, a vista é incrível.

Site_0707 Site_0709 Site_0708 Site_0711

Cotopaxi (5.897 m) – segundo pico mais alto do Equador, está situado dentro do Parque Nacional de Cotopaxi, que em Kichwa (língua nativa) significa cone da lua. Visitamos esse vulcão, que é famoso por sua beleza (dizem que tem o cone perfeito) e por ser um dos vulcões ativos mais altos do mundo, no dia 03/01/15. Por ser fim de semana o parque estava lotado e no dia anterior chegaram a fechar a entrada (nós não conseguimos entrar) em razão do excessivo número de visitantes. Segundo os guias de viagem, esse é um dos parques mais visitados no Equador.

Site_0703 Site_0704 Site_0712

Tungurahua (5.016 m) – no dia 06/01/15 visitamos esse vulcão que é um dos mais ativos do Equador (entrou em atividade em 2000 e continua até hoje). Seu nome em Kichwa significa “garganta de fogo” e ele está localizado dentro do Parque Nacional Sangay e próximo a cidade de Baños. É possível chegar até a metade do caminho de carro por uma estrada sofrível e do final dela são mais 3 horas de caminhada. Como estava muito nublado, nós decidimos não seguir a pé, mas deu para ver o rio de lava formado pela violenta erupção de 2000.

Site_0715 Site_0716

A região de Baños também é conhecida como a Ruta de las Cascadas, em razão do grande número de cachoeiras. Após sairmos do vulcão visitamos o Pailon del Diablo, cuja vista (e a subida) é de tirar o fôlego.

Site_0717 Site_0718

Quilotoa (3.914 m), cuja lagoa formada em sua cratera tem uma beleza única. Visitamos esse vulcão no dia 04/01/15 após passar uma noite incrível em uma pousada familiar na vila de Tiguá, onde tivemos a oportunidade de conhecer os outros hóspedes em um animado jantar.

Site_0702 Site_0710

Pululahua (3.400 m), onde passamos o ano novo e nosso ponto de partida no dia 02/01/15. Como esse vulcão está inativo, a cratera hoje é uma grande área rural, mas nem por isso diminui a incrível sensação de estarmos na boca de um vulcão.

Site_0697 Site_0694

2 comentários em “A Avenida dos Vulcões

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: